quarta-feira, março 28, 2007

Ariane - Miguel Torga

Ariane
(cadeia do Aljube, Lisboa, 15 de Janeiro de 1940)

Ariane é um navio.
Tem mastros, velas e bandeira à proa,
E chegou num dia branco, frio,
A este rio Tejo de Lisboa.

Carregado de Sonho, fundeou
Dentro da claridade destas grades...
Cisne de todos, que se foi, voltou
Só para os olhos de quem tem saudades...

Foram duas fragatas ver quem era
Um tal milagre assim: era um navio
Que se balança ali à minha espera
Entre as gaivotas que se dão no rio.

Mas eu é que não pude ainda por meus passos
Sair desta prisão em corpo inteiro,
E levantar âncora, e cair nos braços
De Ariane, o veleiro
.

Miguel Torga
..............................................................
Torre do Tombo - I (*)
Documento do Mês: O centenário do nascimento
de Adolfo Correia Rocha,

com o pseudónimo de Miguel Torga 1907-2007.
clic(*)
..................................

Quando teve conhecimento do seu processo na PIDE, em 1975, Miguel Torga escreveu no Diário XII ( Coimbra, 18 de Fevereiro de 1975): “ Uma alma devota envia-me um monte de fotocópias do meu processo na PIDE. Um acervo de documentos ridículos e trágicos ao mesmo tempo. Os passos que dei durante 40 anos seguidos hora a hora, reproduções de cartas particulares que escrevi e recebi, denúncias feitas por pessoas insuspeitas, quanto ganhava e não ganhava no consultório, minúcias de que me esquecera, todo o meu passado coligido, vasculhado, devassado. E tive pena de mim. Vista através daquele registo laborioso e tenaz de gusanos inexoráveis, a minha vida era a própria imagem da desolação. Descarnada de qualquer substância anímica, mais objectivamente exacta do que a biografia que porventura aflora à tona do que escrevi, parecia o relato de uma autópsia. Excisado, via-me ali reduzido a um despojo arqueológico, como se todos os meus actos fossem equivalentes e tivessem passado por eles o sopro do nada."

6 comentários:

Mocho Falante disse...

e ainda por cima votaram no melhor portugues de todos o Salazar...que vergonha...que vergonha

abraços

Zé Lérias disse...

Bela homenagem a uma das figuras mais gradas da literatura portuguesa e simultaneamente a um HOMEM de corpo inteiro.
Parabéns.
Um grande abraço

Mikas disse...

Isto está diferente ou é impressão minha? Sim, impressão, porque com o sono que ando já não sei se vejo se deliro

Maria Manuel disse...

Conheço os textos.
Fui assistir à dramatização de excertos do Diário, feita pelo João Pedro Vaz. E assim ouvidos, ditos com alma, sente-se, de forma diferente, a clareza simples e a grandeza do homem e do poeta.

sem-comentarios disse...

Eu não conhecia os textos.
Mas, está bem patente a opressão que o Miguel Torga vivia na época.
A liberdade de expressão era incrivel.
Gostei mt da homenagem.

:=)***

(devo-te um e-mail, não está esquecido)

Bfs , amigo :=)**

Irene disse...

Torga além do genial escritor que era, foi também um 'resistente' e não se refugiou no círculo intelectual de Paris, onde os iluminados discutiam a política de salazar!!! Preferiu enfrentar com a sua escrita, na sua terra, o nevoeiro que assolava o país!